Pagamento por performance na saúde: incentivo para melhoria da qualidade da assistência médica

Tempo de leitura: 6 minutos

O problema da qualidade no serviço médico e hospitalar assola o Brasil há tanto tempo que às vezes é difícil enxergar a solução. Tanto no sistema público, quanto no privado, é comum vermos pacientes insatisfeitos com o atendimento que recebem. Demora, descaso e frieza são apenas algumas das inúmeras críticas proferidas diariamente pela população a respeito do serviço.

No caso do Sistema Único de Saúde (SUS), a situação é ainda mais crítica. Durante seu desenvolvimento, o SUS foi idealizado como um modelo que mantinha o paciente como principal foco. No entanto, devido a uma gestão ineficiente e ao orçamento limitado, o programa falha em sua proposta básica e não é raro vermos pacientes em condições deploráveis pelos hospitais do país.

Diferente do que se pensa, no entanto, o problema da saúde no Brasil pode sim ter solução e os meios para isso não são nem um pouco absurdos. Ao observar exemplos de outros países mundo afora, percebe-se que o que o sistema de saúde brasileiro precisa é de um novo modelo de gestão.

Diante dessa situação, elaboramos esse artigo que irá explicar de maneira didática o pagamento por performance, uma alternativa aos modelos tradicionais de remuneração e que apresentam resultados positivos em inúmeros países, dentre eles, os Estados Unidos, Canadá e Espanha. Entenda a seguir o que é, como ele funciona e uma introdução sobre como implementar o pagamento por performance.

O Pagamento por Performance

Resumidamente, o pagamento por performance consiste na remuneração dos profissionais da saúde com base no mérito, ou seja, o pagamento varia, podendo aumentar ou diminuir de acordo com os resultados apresentados por eles ao longo do mês.

Através desse sistema, o modelo busca a melhoria na qualidade do atendimento em saúde, otimizando custos e processos, incentivando os profissionais a buscarem a máxima eficiência e, claro , melhorando a experiência do paciente na hora do atendimento.

Onde foi implementado, o modelo tem apresentado resultados muito positivos. Graças às bonificações oferecidas quando o trabalho está de acordo com os padrões exigidos, a qualidade do serviço melhorou consideravelmente e, junto com ela, os índices de satisfação da população.

Como implementar o pagamento por performance

Como no Brasil o modelo de remuneração tradicional ainda é muito enraizado, o processo de transição para o pagamento por performance deve acontecer de forma gradativa:

  • Identificar a possibilidade

O primeiro passo para implementar um novo projeto consiste em uma análise do negócio. É preciso ter visão crítica para analisar o cenário no qual se está inserido e identificar se há ou não a possibilidade de se aplicar um modelo revolucionário como esse. Seus funcionários precisam de incentivo para desempenharem melhor suas funções? Você precisa medir o desempenho deles em busca de otimizar sua gestão? A qualidade do atendimento é reduzida porque os médicos estão sobrecarregados e você quer mudar este quadro? Possibilidade e necessidade andam de mãos dadas aqui, e o objetivo desta forma de pagamento é aumentar a qualidade dos serviços prestados.

Observada a oportunidade, o responsável pela implementação precisa contar com um forte espírito empreendedor e muita paciência, pois se trata de um projeto que altera completamente o modelo engessado de remuneração ao qual os profissionais estão habituados, podendo, como qualquer mudança, haver certa relutância no processo de aderência e adaptação.

  • Definir o método avaliativo

Essa talvez seja a etapa mais importante do processo de implementação do pagamento por performance, pois o cerne do modelo está justamente no acompanhamento e na avaliação da performance da equipe – podendo ser médica ou administrativa – sempre baseada em uma fonte de dados confiável – geralmente, sistemas informatizados eficientes que vão analisar as métricas escolhidas por você na hora de definir a medição do desempenho.

Para que uma análise efetiva seja possível, é essencial definir quais serão as métricas levadas em conta no processo avaliativo. Nos Estados Unidos, por exemplo, os profissionais são avaliados pelas seguintes métricas:

    • Qualidade do atendimento;
    • Quantidade de recursos utilizados;
    • Melhoria da prática clínica;
  • Uso de registros eletrônicos oficiais

Aqui no Brasil, no entanto, ainda não foi criado um modelo avaliativo padronizado, ficando a cargo de cada estabelecimento definir as métricas mais relevantes para a avaliação dos profissionais.

É preciso tomar cuidado, porém, com os critérios que serão avaliados, pois nem sempre a métrica retrata a realidade. Métricas como número de pacientes atendidos ou tempo gasto com cada cliente podem não ser tão efetivas, tendo em vista que o profissional pode deixar a qualidade do atendimento em segundo plano para melhorar sua performance na avaliação.

Portanto, a definição do método avaliativo deve se dar de forma estratégica e ser estudada com afinco antes de tirar o projeto do papel.

  • Dar início ao pagamento por performance

Após a definição do método avaliativo, está na hora de colocar em prática o novo modelo de remuneração. Pode haver uma certa desconfiança no início, assim como tudo que é novidade, mas no final das contas o que vemos nos exemplos estrangeiros são resultados positivos.

Maior compartilhamento de riscos, controle dos custos e melhorias na qualidade do serviço são apenas alguns dos benefícios atingidos por meio do novo modelo de remuneração. Trata-se de uma tendência em âmbito internacional e que deve se popularizar no Brasil muito em breve.

Vale lembrar que o modelo de pagamento por performance é uma forma de garantir um atendimento de qualidade aos pacientes. Eles são o foco de todo o esforço desempenhado pelos desenvolvedores de projetos como esse e são eles que vão usufruir dos benefícios gerados por ele.

A função dos hospitais e seus médicos sempre será servir à população da melhor forma possível, tratando cada paciente com dignidade e respeito. Porém, não podemos esquecer que eles não deixam de ser uma empresa e precisam ser geridos como tal para que este atendimento de qualidade realmente ocorra.

Gostou do conteúdo e se interessou pelo assunto? Acesse outros artigos do nosso blog que tratam da modernização da gestão hospitalar e das tendências que estão despontando nesse mercado.

 

Dúvidas? Deixe seu comentário!

 

5 Comentários


  1. Parabéns por essa iniciativa! Mas não é complicado implementar essa ideia em uma empresa que não paga seus funcionários em dia?!? Exigindo deles excelência e dedicação mesmo eles não tendo o mínimo de respeito por parte da empresa. Afinal, quem trabalha tem seu direito garantido de receber.
    Mesmo assim, ótima ideia quando aplicada.

    Responder

Deixe uma resposta para Julia Maria Almeida Cancelar resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *