Passos para aplicar a remuneração variável no sistema de saúde

Tempo de leitura: 7 minutos

Realizar uma gestão plena e orientada para a qualidade e obtenção de lucros é um dos desafios mais intensos de qualquer equipe responsável pela gestão de uma instituição de saúde privada. É preciso atualizar o modelo de gestão e englobar novas práticas capazes de trazer resultados mais consistentes, tanto para os profissionais envolvidos quanto para os pacientes. Uma dessas inovações vem ganhando destaque internacional, inclusive sendo um dos pilares das mudanças na saúde pública dos Estados Unidos. Estamos falando do conceito de remuneração variável, dentro dele encontra-se o pagamento por performance (P4P), uma nova modalidade de incentivo adotada entre as instituições de saúde e os profissionais componentes do corpo médico para ampliar a qualidade nos serviços.

O pagamento por performance se enquadra dentro do conceito de remuneração variável, que é composto por um conjunto de maneiras de conceder aos colaboradores de uma empresa uma bonificação pelo seu desempenho individual ou coletivo.

No P4P aplicado à área da saúde, o desempenho da instituição ou do profissional irão balizar os rendimentos, adotando um sistema de méritos no qual premia-se o trabalho bem feito.

Neste post iremos abordar como um sistema de saúde ou unidade hospitalar pode aplicar o pagamento por performance e estabelecer um sistema de avaliação do rendimento dos profissionais, confira!

Estruturando os critérios para a aplicação da remuneração variável

A remuneração variável deve estar inserido dentro de um sistema de análise de desempenho capaz de contabilizar as informações de cada colaborador participante do programa. A diretoria deve estabelecer (em consenso com os envolvidos) os indicadores e as metas, sendo que eles podem variar de acordo com a intenção da diretoria ao aplicar a remuneração variável, e todos os dados devem ser colhidos através de um sistema informatizado confiável, ligado diretamente ao sistema do hospital evitando, assim, informações corrompidas ou mal interpretadas.

Por exemplo, se o objetivo é ampliar a satisfação dos pacientes, pode ser aplicado como indicador o índice de satisfação do usuário, mas, se o objetivo for melhorar o desempenho do corpo clínico, o critério pode ser a taxa de reinternação. Nada impede a Instituição de aplicar mais de um parâmetro e distribuir pesos distintos, basta apenas que o sistema de avaliação esteja de acordo com as metas estabelecidas e que seja ético, seguindo as premissas básicas do atendimento em saúde: foco no paciente, eficiência clínica e respeito.

Remuneração variável: as regras do sistema devem ser resultado de um acordo

O principal objetivo deste tipo de estratégia é melhorar os resultados e a qualidade do atendimento médico prestado em hospitais, clínicas e unidades de saúde. A lógica é incentivar os profissionais a trabalharem  e receberem um incentivo financeiro por isto.

Se não houver equilíbrio nos critérios e metas, não haverá motivação para o sistema funcionar e o plano pode dar errado. Na hora de firmar o acordo com os profissionais, a instituição precisa se planejar e não fechar as regras. Podem existir rodadas de negociações e pedidos de alteração nos critérios. O importante é estipular regras que motivem os colaboradores, mas sem extrapolar o teto de gastos com remuneração.

Um grande aliado da transparência desse tipo de acordo são os sistemas de gestão hospitalar. Eles são capazes de concentrar dados fundamentais para medir o desempenho das equipes e médicos. Nele, todos os envolvidos no programa podem acompanhar seu desempenho e as metas a serem alcançadas.

Aplicando a remuneração variável no contrato

O pagamento por performance da remuneração variável ainda é um assunto bastante discutido no CFM e nos CRMs, principalmente pela variabilidade nos valores e nos critérios adotados pelas instituições de saúde e médicos. Alguns sistemas estabelecidos são punitivos, mas a prática criou atritos entre as instituições e os Conselhos.

Em Portugal, os profissionais têm estatuto de funcionário público e o contrato do P4P é feito direto com as equipes médicas; enquanto no Reino Unido profissionais liberais contratam outros médicos unicamente sob contrato P4P.

O mais indicado a ser feito é transformar a remuneração variável em um adicional do salário fixo, sem nenhuma penalidade resultante em redução dos ganhos.

Devem ser incluídas cláusulas no contrato de trabalho dos médicos, nas quais fique explícito uma remuneração fixa e uma parte variável, sendo que esta é sujeita aos critérios estabelecidos pelo sistema de avaliação de performance adotado pela empresa.

Vale lembrar que a prática do P4P não é restrita apenas à relação entre o sistema de saúde e o corpo clínico. Contratos de prestação de serviço envolvendo hospitais, UTIs e outras unidades de saúde também podem constar de cláusulas relacionadas ao pagamento por desempenho, assim como toda equipe multidisciplinar e administrativa do hospital, bastando estabelecer as devidas metas

Porque a remuneração variável está crescendo tanto?

A razão por trás da origem do sistema de remuneração variável não é a bonificação do funcionário, mas sim a melhoria no serviço prestado. Profissionais da saúde possuem rotinas cansativas e estressantes, e muitas vezes é preciso motivar os funcionários para que eles consigam sair da zona de conforto profissional e voltem a refletir sobre as melhores práticas e posturas durante o exercício de sua profissão.

Uma das maneiras encontradas foi criar um estímulo financeiro, e a tática está dando resultado em diversos locais. Para se ter uma ideia, a lógica do P4P é um dos pilares do “Obamacare”, sistema de saúde implantando nos EUA durante a gestão do Presidente Barack Obama.

Nele, os médicos podem se inscrever em programas de premiação por mérito e as projeções do governo do ex-presidente americano eram positivas, apontando para uma adesão em massa dos médicos americanos.

O sistema de remuneração variável por performance tem o apoio de médicos e pesquisadores da área de saúde, sendo apontado como uma solução eficiente para reduzir gastos, melhorar processos e principalmente ampliar a satisfação de pacientes com o atendimento recebido.

Os sistemas de saúde e planos privados devem procurar seus profissionais cadastrados, hospitais e clínicas para discutir a aplicação de um sistema de avaliação de performance, afinal, essa prática auxilia, e muito, na fidelização de clientes e na reputação do plano.

Em tempos de crise econômica, muitas pessoas estão deixando seus planos e migrando para a saúde pública. E nem sempre a motivação é só o aperto econômico. Ao se deparar com serviços e atendimentos medíocres, muitos acabam optando por cortar o plano. Isso é algo extremamente maléfico, tanto para o rendimento da empresa quanto para sua imagem, por isso é tão importante buscar novas maneiras de motivar os profissionais e melhorar a qualidade dos serviços.

Essas são algumas informações relacionadas ao sistema de avaliação e pagamento por performance da remuneração variável. Assine a nossa newsletter para receber conteúdos exclusivos relacionados à gestão hospitalar e novidades do mercado!

Dúvidas? Deixe seu comentário! 😉

1 Comentário


  1. Oi pessoal
    Esse site é mesmo surpreendente, queria dar os parabéns pelo trabalho de vocês.
    Sempre é bom obter novos conhecimentos, obrigado 😉

    Responder

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *