UTI Intensicare: Cuidado humano e tecnologia ajudam a salvar vidas

Tempo de leitura: 7 minutos

A Internet das Coisas (IoT) também está revolucionando o setor de saúde. Na atualidade, a fração de segundo que separa a vida da morte poderia ser medida por bits. Dispositivos eletrônicos agora são ferramentas tão importantes quanto bisturis e estetoscópios. Deixar de aplicar inovações high-tech na medicina é aceitar ficar para trás.


Monitoração de sinais vitais e exames em alta resolução com atualizações em tempo real, supervisão de visitas ao vivo e otimização da equipe multidisciplinar são alguns dos benefícios da tecnologia em saúde. Os prontuários são armazenados na rede e podem ser criptografados em algumas plataformas. Aplicativos possibilitam o gerenciamento de relatórios.

A tecnologia atual e a prestação de serviço de forma virtual em saúde já é capaz de alcançar pacientes negligenciados que moram em regiões afastadas, com uso de poucos recursos e profissionais habilitados. Com aparelhos de ponta, não necessariamente os pacientes precisam se deslocar às instituições de saúde. Nos EUA, isso já acontece de maneira frequente, mais de 15 milhões de consultas virtuais são realizadas por ano, segundo a American Telemedicine Association.

A exemplo disso, a UTI Intensicare possui softwares que integram dados e processos ao sistema e trabalha com empresas que são referências globais, como Intel, Vidyo, Cerner, Philips e GE, e alimentam o mercado com constantes novidades. Todo este trabalho é para levar medicina de qualidade aos pacientes e soluções para hospitais, operadoras de saúde e governo.

A tecnologia hospitalar

Cientistas estrangeiros estão utilizando um smartphone para detectar patologias no DNA humano. Pesquisadores da Suécia e da Universidade de Los Angeles comunicaram recentemente a criação de um microscópio interligado ao mobile.

Basicamente, células e tecidos são analisados pelo aplicativo instalado no celular. Uma impressora 3D emite os resultados do sequenciamento genético e aponta para a existência de tumores.

A expectativa mundial é que daqui a 20 ou 30 anos todas as cirurgias sejam executadas por braços robóticos. Apesar de altamente modernos, os equipamentos não funcionam com inteligência artificial e, portanto, precisam da intervenção de médicos-cirurgiões.

No Brasil, a modernização hospitalar tem modificado a realidade de milhões de pessoas. Crianças que nascem na Paraíba, por exemplo, passam por exame que detecta a existência ou a predisposição para cardiopatias, na própria maternidade.

Inicialmente, a carência por especialistas era refletida nas anuais taxas de mortalidade. Hoje, a internet conecta cardiologistas, pediatras, clínicos gerais e cardiopatas em período integral. Em casos de emergência, os médicos atendem em salas equipadas ou por meio do programa instalado em computadores e mobiles. O exemplo brasileiro é difundido em diversos países por meio da OMS.

É relevante mencionar que, apesar de o Conselho Regional de Medicina ainda estar ouvindo os profissionais de saúde para criar legislações para a Telemedicina,  as consultas online atualmente complementam os atendimentos, não substituindo os encontros presenciais. Do mesmo modo, o médico continua sendo o responsável pelos prognósticos e tratamentos, não podendo canalizar isso para as máquinas. A segurança das informações e os cuidados com cada paciente igualmente dependem da atenção e prudência de quem manipula os dispositivos ou presta atendimentos – e aí está toda a diferença.

UTI Intensicare: tecnologia que humaniza

Unidades de Tratamento Intensivo geralmente causam desconforto e apreensão em pacientes e familiares. Ambientes frios, sem interação e com pouco conforto dificultam o processo de recuperação e tornam o contexto ainda mais doloroso.

A UTI Intensicare oferece atendimento diferenciado e qualificado. Mais do que isso: oferece tratamento humanizado. Os médicos e enfermeiros respeitam a individualidade de cada um e estabelecem uma relação de amizade e proteção. Todos são tratados de forma única, com afeição e delicadeza durante todo o período de hospitalização.

Não é à toa que o principal indicador da Intensicare não é o número de leitos em atividade, e sim a quantidade de vidas que devem ser salvas: 50.000.

Os profissionais da Intensicare entendem que cada paciente tem uma vida fora da UTI, e seu papel é justamente ajudá-los a se recuperar para voltarem a esta vida. Mas enquanto eles estão sob seus cuidados, cada pequena ação é importante para que eles saibam como são especiais, como foi o caso do seu João Rodrigues, que comemorou 30 anos de casado com a dona Maria Madalena dentro da UTI; ou como aconteceu com as crianças de Palmas, que mereciam ter um dia ainda mais especial enquanto estavam internadas.

Mas não podemos negar que, muitas vezes, os parceiros são os familiares. A Sandra Passos Borgo, por exemplo, esteve ao lado do filho durante toda a internação:

“Vocês foram minha família por um bom tempo. Agradeço a cada um pelo carinho e compreensão em meus momentos de desespero”, escreveu aos profissionais.

O pai de Vanderlúcia Freitas também esteve em uma UTI Intensicare. Vítima de AVC, não resistiu. Vanderlúcia presenciou os cuidados recebidos pelo pai. Ciente da irreversibilidade do caso, a filha reconhece que “a Intensicare fez tudo o que pode”. Agradecida, Freitas valoriza a “competência e atenção da junta médica”.

As acomodações são amplas, planejadas e muito aconchegantes. Os cômodos são climatizados, com acesso à luz do sol – evitando confusão mental comum aos pacientes quando perdem a noção de noite e dia. Oferecem privacidade e uma recepção acolhedora para todos os visitantes – que ao chegarem à UTI são recebidos pela equipe de psicologia. Assim, promovemos maior bem-estar aos pacientes, o que contribuiu diretamente para uma melhor resposta ao tratamento.

Além da dedicação dos profissionais assistenciais para humanizar cada vez mais o atendimento, a tecnologia empregada pela área de TI é fundamental para ajudar a salvar cada vez mais vidas. Com o uso de um sistema hospitalar eficiente, como o Tasy, da Philips, os processos são integrados aos dados, garantindo agilidade por exemplo na compra e dispensação de medicamentos e materiais para atender os pacientes no leito, bem como temos mais precisão com a prescrição médica informatizada. Tudo isso significa mais segurança para os pacientes. A segurança também inclui o uso de links de internet dedicados e redundantes, protegidos por firewall, em todas as UTIs. A função deles é coletar (e proteger) os dados do paciente para analisar os resultados do tratamento – muito semelhante à tecnologia dos monitores cardíacos, que são integrados ao prontuário dos dos sistemas médicos.

Além disso, todos os dados clínicos coletados são armazenados em Cloud Computing – para garantir a segurança das informações e sua acessibilidade à distância – e integrados a um sistema de preditividade, antecipando como será o processo de tratamento e o tempo estimado para que o paciente possa voltar às suas atividades normais.

Nas UTIs Intensicare, a humanização no atendimento se reflete no maior bem-estar e melhor resposta ao tratamento, e a tecnologia em mais agilidade, segurança e redução das fronteiras físicas – tudo com foco no paciente. Siga o exemplo da UTI Intensicare e também oportunize uma experiência mais leve, agradável e humana em sua unidade de saúde. Conte conosco para incorporar novas tecnologias e padrões de trabalho.

Se você tem boas referências e gostaria de compartilhar, nos conte pelos comentários!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *